domingo, 22 de abril de 2012

O RIO



Ser como o rio que deflui
Silencioso dentro da noite
Não temer as trevas da noite.
Se há estrelas no céu, refleti-las
E se os céus se pejam de nuvens,
Como o rio as nuvens são água,
Refleti-las também sem mágoa
Nas profundidades tranqüilas.

Manuel Bandeira

Nenhum comentário:

Postar um comentário