segunda-feira, 21 de maio de 2012

A LUA



Mesmo se eu disser que a lua
é uma porta de diamante,
ninguém verá como eu vejo
este próximo esplendor
até o distante horizonte.


Por essas escadas brancas
de luz, entre o céu e a terra,
descem límpidos os que adoro,
desconhecidos e amigos,
pessoas de outros lugares,
de outros séculos: e logo
nítidos nos reconhecemos,


e no chão do luar, secreto,
inverossímil e exato,
continuamos a conversa
por mortes interrompida.



Cecília Meireles
In: Poesia Completa

Nenhum comentário:

Postar um comentário