sexta-feira, 1 de junho de 2012

PÓRTICO



Quem quer que sejas: Quando a noite vem,
sai do teu quarto onde tudo conheces;
a tua casa é a última ante o longe:
Quem quer que sejas.
Com teus olhos, que, de cansados, mal
conseguem libertar-se do teu limiar gasto,
levantas devagar uma árvore negra
e põe-la ante o céu: esguia, só.
E fizeste o mundo. E ele é grande
e como palavra ainda a amadurar no silêncio. E
quando o teu querer abrange o seu sentido, teus
olhos o abandonam, ternamente ...


Rainer Maria Rilke
in "Poemas - Elegias de Duíno - Sonetos a Orfeu",

Nenhum comentário:

Postar um comentário