terça-feira, 2 de outubro de 2012

NOTURNO III



Pétala da noite
pálpebra fixa dos que olham para sempre a morte
nave perdida e sem memória
pérola marinha
arremessadas às águas.

Rosa intranqüila
pólen do amor sem pouso
mênade errante, os longos cabelos torturados,
tu, sublevada, que me prendeste em teu anel de insônias
e que desfias no espaço
o claro colar das águas:
por que acordas no meu peito a sede dos desertos
e me aprisionas, pássaro, em teu arco de prata?


Dora Ferreira da Silva,

in Poesia Reunida

Nenhum comentário:

Postar um comentário