segunda-feira, 16 de abril de 2012

Noturno


Noturno

Com seus dedos invisíveis
balança o vento a cortina,
muito leve, levemente,
tal farrapo de neblina.

A luz argêntea da lua
parece uma asa de vespa
tremulando suavemente
sobre um lago de água crespa.

Pela vidraça entreaberta,
iludindo que entra alguém,
entra o vento, sai o vento,
num noturno de Chopin.

E os teus dedos, no teclado
de marfim envelhecido,
são dez pássaros pousados
num trigal reflorecido.

De repente o vento cessa.
Uma nuvem tolda o luar.
Desce em pregas a cortina

e fica à música no ar...

Alfredo Cumplido de Santana
In Poemas e Legendas

Nenhum comentário:

Postar um comentário