segunda-feira, 16 de abril de 2012

NOTURNO



NOTURNO

Prostituta, dá teu corpo
como a árvore sem fruto
dá a derradeira sombra
sobre o leito da calçada...

Teus cios, águas paradas...
Tantas lágrimas vertidas
tantas noites indormidas
tantas mágoas acordadas.

Inverno, colhe-te o frio
das rosas despetaladas...
Ô, as horas de esperança
já no tempo sepultadas...

Corações, soam-te a alma
que é a tua igreja fechada
onde os sinos em silêncio
sem amor tocam por nada...

A. Estebanez

Nenhum comentário:

Postar um comentário